O Dilema da Qualidade dos Vídeos

Freqüentemente, quando encontro alguém que eu não conheço, e digo que trabalho na área de mídia da Globo.com, a primeira pergunta que me fazem é se eu edito os vídeos e coloco eles na internet. Daí eu explico um pouco melhor, dizendo que não, que desenvolvo novos projetos e tecnologias para diferentes etapas do processo de captura/produção/publicação dos vídeos, daí então a segunda pergunta sempre é relacionada a qualidade dos vídeos. Ou perguntam porque não melhoramos a qualidade (essa pergunta já foi bem mais freqüente, e hoje caiu em desuso), ou dizem que demora para carregar, ou dizem que o vídeo é pequeno, ou trava toda hora, etc. De uns tempos pra cá, depois que passamos a utilizar Flash Vídeo, até que as perguntas estão mudando, porque ficou melhor pra muita gente! Em suma, é bem comum que as pessoas questionem a qualidade, até porque elas estão acostumadas com a excelente qualidade da TV Globo.

Outra observação importante que eu fiz é que a maioria das pessoas que fazem essas perguntas não entendem nada de internet, elas são apenas usuários leigos, sem formação ou vocação tecnológica. Então, resolvi escrever um post para tentar explicar de forma bem clara como as coisas funcionam, e como lidamos com o “cobertor curto” diariamente.

Para que um vídeo seja disponibilizado na internet, é necessário percorrer um caminho relativamente simples. Primeiramente, precisamos capturar o sinal de TV e digitalizar ele em arquivos de vídeo. Esse arquivo é o vídeo bruto, em excelente qualidade, que será editado (cortado, etc). Uma vez editado, o vídeo é preparado para distribuição na internet, ou seja, ele é transcodificado. Neste momento, transformamos o vídeo editado de altíssima qualidade para um formato padrão de distribuição na internet. Atualmente utilizamos Flash Vídeo, porém, poderíamos utilizar Windows Media, Real, etc. Uma vez transformado, o vídeo é colocado nos servidores para que os usuários possam acessar.

De todo esse processo, basicamente o que define a qualidade final do vídeo é a transcodificação. Nela não só alteramos o formato (chamado encapsulamento), como também aplicamos uma compressão, e é aí que mora o problema. Se pensarmos um pouco e fizermos uma conta simples, iremos ver que a quantidade de informação de um vídeo de alta qualidade é imensa, e seria impossível transmitir este vídeo na internet. Vejamos: supondo um vídeo com 320 pixels de largura por 240 de altura, teremos por frame de vídeo 76800 pixels; considerando que o vídeo tem 30 frames por segundo; e considerando uma resolução de 8 bits por pixel; desconsiderando o áudio, as cores, etc, teremos:

76800 x 30 x 8 = 18432000 bits/segundo de vídeo = 17.57Mbps

Agora eu pergunto quantas pessoas no Brasil tem 17.57Mbps de conexão de internet?!

A solução para este problema consiste em comprimir a informação do vídeo, retirando as redundâncias existentes nele. Quanto mais redundância tirarmos, menos bits por segundo serão necessários, mais fácil fica ver o vídeo, menos qualidade teremos na imagem. Esta é a relação da discordia. Além disso, existem diferentes forma de retirar a redundância de um vídeo, umas mais e outras menos eficientes. Estas diferentes maneiras são os famigerados codecs (VP6, H264, WMV9, MPEG2, MJPEG, DV, etc ), que implementam os algoritmos de compressão dos vídeos. Atualmente o algoritmo mais eficiente de compressão é o H264, que é inclusive utilizado nas transmissão de TV Digital no Brasil.

Assim, dada que a taxa média de velocidade do usuário brasileiro fica em torno de 300kbps (o que é ridículo!!!), é necessário comprimir bastante, muito mesmo, o que acaba degradando a qualidade. Por outro lado, para ter uma qualidade mais razoável, precisamos de algo em torno de 600kbps, 800kbps, porém iremos onerar a velocidade com que o usuário carrega o vídeo. Conciliar velocidade e qualidade é uma tarefa difícil, mas não impossível. Podemos utilizar uma série de filtros e algoritmos de processamento de imagens para maximizar a percepção de qualidade, e, a medida que a tecnologia avança, podemos melhorar os próprios algoritmos de compressão do vídeo. De qualquer forma, não existe milagre! Maior qualidade, maior tamanho, etc, ocasiona em mais bitrate.

O que eu posso dizer a respeito dos vídeos da Globo.com, é que temos um processo de avaliação de qualidade bastante rígido e objetivo, dentro das limitações de bitrate que definimos. E podem esperar, porque ainda teremos muitas novidades este ano!

1 comment so far

  1. […] objetivamente a qualidade de um vídeo Posted Abril 23, 2008 Num post anterior aqui do blog, falei sobre alguns dos desafios de se produzir conteúdo em vídeo para […]


Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s

%d bloggers like this: